► Igreja Matriz

► A Igreja da Misericórdia

► A Capela de Nossa Senhora da Agonia

► A Capela de São João

► Convento de Santo António

► O Pároco


Igreja Matriz

     Trata-se do mais sumptuoso templo de todo o Alto Minho e, embora de raiz gótica, revela nítidas sobreposições manuelinas e renascentistas.

A sua construção começou em 1488, apenas vindo a ficar concluída em 1556.

É toda de granito, com a sua robusta torre lateral, despertando, no primeiro relance, uma impressão de igreja-fortaleza de feição românica, o que se torna incontestável, tanto pela fachada como pelo flanco ocidental. A sua estrutura ressente-se ainda da antiga tradição medieval dos tempos ambivalentes: lugar de culto e lugar de defesa. Na raiz do gótico declinante lateja o velho tropismo defensivo das primeiras igrejas afonsinas, mas sobre o cuidado da robustez é notório o anseio da gratuita levitação. Bastará reparar no coroamento florido dos dois botaréus do alçado frontal, nas ameias estilizadas da torre, na própria rosácea e, sobretudo, na platibanda que orla a cornija de toda a cabeceira, obra de cantaria quase tão apurada como a da Sé de Braga.

O portal lateral, voltado a poente, constitui a mais viva expressão de ímpeto artístico visível no exterior do templo, o qual, no seu conjunto, é uma pequena obra-prima de composição e de expressões vivas.

Interiormente a Matriz de Caminha é um templo vasto, dividido por três naves amplas, com duas séries de arcos redondos de volta inteira que separam as naves entre si, apoiando-se em elegantes colunas cilíndricas. Mede quarenta e cinco metros de comprimento. O seu tecto de alfarge, em estilo mourisco mudéjar, feito de madeiras de várias qualidades, não conhece rival nas igrejas portuguesas, a não ser na Sé-Catedral do Funchal. E de tal maneira ele se enquadra no renascentismo dos retábulos da capela-mor e das capelas de Nossa Senhora da Piedade e do Bom Jesus dos Mareantes, que a harmonia é completa.

Um dos mais belos retábulos, dos vários que aqui existem, é o da Capela do Santíssimo Sacramento, encimado por uma imagem de Jesus Cristo e tendo ao lado, divididos por três ordens de nichos, os doze apóstolos.

O sacrário já é de outra época e estilo, podendo rodar e apresentando os passos da Paixão de Cristo: o Senhor no Tabor; o Senhor na Colina; o Senhor na Prisão, O Senhor da Cana Verde (Ecce Hommo); o Senhor dos Passos e a Crucifixão. No andar superior do sacrário notam-se duas figuras de anjos e a imagem de S. João Baptista, e logo abaixo, em nichos inferiores, S. João, S. Marcos e S. Lucas. Ladeiam-no ainda duas figuras alegóricas.

Quanto ao retábulo da Capela de Nossa Senhora do Rosário, é moderno, embora de apreciável Execução. Representa a árvore de Jessé, em que se desenvolve a genealogia da Virgem Maria, com os doze reis seus descendentes. A imagem da Senhora está colocada no mais alto da árvore. É um trabalho do grande mestre da escultura religiosa Manuel de Azevedo, natural de Barcelos, mas por essa altura a residir em Viana do Castelo.

  1. C. Azevedo, in “Portugal Moniumental”, Tomo I

A Igreja da Misericórdia

Caminha, praça de armas e velho burgo fronteiriço, porto convergente de vias fluviais e terrestres, de todos aqueles que, quer em missões comerciais, quer como peregrinos dirigindo-se a Santiago de Compostela, aqui passavam, e vivia um movimento intenso de viajantes que, durante alguns dias aqui permaneciam, descansando antes de retomar a viagem.

Em 1499 fundava-se a Confraria de Nossa Senhora da Misericórdia, cuja ermida se situava fora de muros há já muitos anos, e no local onde mais tarde se viria a fazer o convento de Santa Clara.

Com a aparecimento das Misericórdias, foi fundada em Caminha, em 1516 a Santa Casa da Misericórdia, tendo neste ano o compromisso, idêntico ao da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, mais velho que a nossa 18 anos. Este compromisso viria a ser confirmado por D. João III, no ano de 1537.

A Igreja da Misericórdia viria a construir-se na sequência de um pedido dos Caminhenses, com os seguintes privilégios: que a Igreja que edificassem da invocação da virgem Nossa Senhora da Misericórdia e que tal igreja fosse isenta de toda a jurisdição e somente reconhecesse sujeição à Sé apostólica e à Igreja Lateranense e que na tal igreja pudessem ter campanários, sinos, cemitério para enterrar os mortos, ter altares, pia de baptismo, com casas, oficinas e mais coisas necessárias à dita igreja e aos irmãos da dita casa e aos que todos nela fossem sucedendo.

Foi atendida a petição dos Caminhenses a 5 de Dezembro de 1546. De imediato se começou a construir a Igreja, que ficou concluída em 1551. A primeira missa foi dita numa quinta-feira, dia 21 de Maio de mesmo.

A Capela de Nossa Senhora da Agonia

À entrada sul da nossa vila de Caminha, ergue-se em pleno coração do bairro piscatório, a bicentenária capela em honra de Nossa Senhora da Agonia, Padroeira da gente do mar de Caminha.

A Capela de Nossa Senhora da Agonia, foi edificada em 1766, no local onde existia um nicho da Senhora desta invocação. Este lugar era conhecido por Calvário e pertencente à freguesia de Vilarelho.

Os irmãos da Confraria de Nosso Senhor dos Mareantes, pediram a construção desta capela para assim poderem ouvir missa antes de irem para o mar.

Caminha através dos tempos in “Caminiana”

A Capela de São João

A Capela de S. João é muito antiga, ignorando-se porém a data da sua construção. O seu local primitivo, era em frente ao actual, mas situada no meio da Rua do Vau. Com o alargamento e continuação desta rua, nos fins do século XVI, teve que transferir-se para o local onde ainda hoje se encontra e onde estava o açougue. Com esmolas começou a fazer-se a transferência para o local actual. Porém, como as esmolas não chegavam, Brás Pitta Leite ofereceu-se para acabar a reconstrução da Capela, desde que ficasse por padroado dela.

Cfr. Caminha através dos tempos in “Caminiana”


Convento de Santo António

Abstraindo-nos de considerações de natureza confessional, mas usando como pretexto a cerimónia de beatificação neste dia 21 de Maio, em Lisboa, da sua co-fundadora e primeira Madre Superiora, Irmã Maria Clara do Menino Jesus (1843-1899), não podemos deixar de assinalar a mais que centenária ligação de Caminha à congregação das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição, cujo Convento de Santo António ainda hoje domina, a meia-encosta do monte de Santo Antão, a vila da foz do Minho. Apesar de nascida em Lisboa (Amadora), com o nome comum de Libânia do Carmo Galvão Mexia de Moura Teles e Albuquerque, e de ter falecido na mesma cidade, a nova beata católica tem a sua história pessoal relacionada com Caminha.
Estava-se em Março de 1954 quando a Câmara Municipal, presidida por Francisco Dantas Carneiro, respondeu positivamente a um “pedido da Madre Geral da Ordem das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras Portuguesas, acedendo à trasladação do Segundo Cemitério de Lisboa para a Igreja de Santo António, sita na sede do Convento daquela ordem, nesta vila, dos restos mortais do Reverendo Padre Frei Raimundo dos Anjos Beirão, falecido em 1878, e de Libânia do Carmo Galvão de Mexia de Moura Teles Albuquerque, falecida em 1899, que foram, respectivamente, o fundador e a primeira Madre, também fundadora, da referida ordem em Portugal” (Acta da CMC, 26-3-1954). Os restos mortais de ambos os religiosos aqui repousaram por mais de trinta anos — em 1988 foram novamente trasladados para Lisboa — o que faz perceber a importância que chegou a assumir o convento de Caminha no seio desta ordem feminina hoje disseminada por catorze países.
A congregação das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras, consagrada em 1876 pelo Papa Pio IX, veio para o Alto-Minho muito cedo — no ano seguinte já havia uma comunidade em Viana do Castelo — mas instalou-se em Caminha em 1898 por uma razão concreta. Uma das responsáveis da ordem, Rosa Maria Joaquina de Sousa — de nome religioso, Irmã Maria Madalena de Cristo — era caminhense de nascimento e tinha acabado de adquirir às suas custas o edifício devoluto do antigo convento franciscano de Santo António, erguido nos idos de 1618 para albergar os frades da Ínsua e encerrado desde 1834, quando da extinção das ordens religiosas pelos liberais. O papel central que esta mulher desempenhava na sua congregação afere-se pelo facto de, passados dois anos, em 1900, pouco depois do falecimento da fundadora Maria Clara, ter assumido o lugar de Madre Superiora, função que desempenhou até 1906. Rosa Maria Joaquina de Sousa, que noutro lugar considerámos como a caminhense que mais elevada posição nacional alcançou até aos dias de hoje, nasceu em 1842, filha de Fernando Joaquim de Sousa, escrivão da administração do concelho e couteiro da Mata do Camarido, e de Bernarda Clara de Sousa, sendo irmã de Ricardo Joaquim de Sousa (18261894), negociante e político que dá hoje o nome à Rua Direita. Não se conhecendo pormenores da sua infância e juventude no seio de uma abastada família, sabe-se que contava já com 36 anos quando entrou em 1878 para a congregação, há pouco criada, das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras. Foi uma mulher de forte personalidade, como se percebe por vários episódios da sua vida, nomeadamente em 1910 quando a República encerrou compulsivamente o convento e o colégio anexo, frequentado por crianças de tenra idade de ambos os sexos e onde também se leccionava a instrução primária a meninas internas ou externas de alguma condição social. Como se não bastasse, as religiosas foram ainda obrigadas a deixar outros serviços de apoio educativo e de enfermagem que desempenhavam na vila, no Asilo de Infância Desvalida Silva Torres e no Hospital da Misericórdia, forçando-as a adoptarem a vida secular ou então a partirem para Tui, onde muitas se refugiaram e aí fundaram uma comunidade que ainda hoje subsiste. A falta das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras foi bem sentida em Caminha e não demoraria muito que a Câmara Municipal — por intermédio de Dantas Carneiro, na sua primeira e curta passagem pela presidência, em 1918 — se dirigisse directamente a Rosa Maria Joaquina de Sousa para lhe pedir que voltasse a montar um estabelecimento escolar na casa “a qual lhe pertence”. A resposta foi pronta e as freiras regressaram ao convento pelo início dos anos vinte, sendo certo que em 1925 ali foram promovidas obras de ampliação. Em 1928, ano em que faleceu a notável religiosa caminhense — os seus restos mortais encontram-se hoje no mesmo lugar de onde foram retirados os dos fundadores — o edifício conventual passou a pertencer à congregação que foi alargando as suas valências nas décadas seguintes. Para além da tradicional guarda e instrução infantil, ali passou a funcionar um colégio de formação missionária, com o respectivo noviciado, a que acrescia a acção social concretizada pela oferta de uma refeição diária aos pobres da vila, o chamado “caldo de Santo António”. A dimensão do Convento-colégio de Santo António em meados do século XX é atestada pelo número de cento e vinte religiosas que ali residiam quando, no dia 26 de Abril de 1957, um brutal incêndio o consumiu inteiramente, salvando-se as vidas, grande parte do recheio e a Igreja anexa pela pronta intervenção dos bombeiros da vila e das corporações vizinhas de Vila Praia de Âncora, Vila Nova de Cerveira e Viana do Castelo, ajudados por muitos populares. A Câmara pôs então à disposição das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras as instalações do Asilo Silva Torres, enquanto duraram as obras de recuperação do edifício, que foi reconstruído entre 1960 e 1963 com as ajudas do município, do governo e de numerosos benfeitores. Passou entretanto o tempo em que as Irmãs Franciscanas Hospitaleiras serviam no Asilo (depois Internato) Silva Torres e ainda no Hospital da Misericórdia, onde asseguraram décadas a fio os serviços de enfermagem e de apoio ao domicílio. Na actualidade, a sua acção circunscreve-se ao Convento-colégio de Santo António, onde desenvolvem actividades de suporte à terceira idade de religiosas da ordem, a assistência social aos mais necessitados (no Centro Mãe Clara), bem como o ensino pré-escolar de crianças dos 3 aos 5 anos, mantendo-se pois viva neste início do século XXI a forte relação entre a vila sede do concelho e esta congregação a quem todos os caminhenses, independentemente das suas opções confessionais (ou ausência delas) muito devem, merecendo o respeito da comunidade e amplamente justificando a devida honra por parte da edilidade que a representa.


O Pároco

Padre Rui Filipe Gonçalves Rodrigues
Nasceu em Monção a 24-02-1982
Foi ordenado sacerdote a 27-07-2008

258 921 413
paroquia.caminha@sapo.pt
 
Últimas Notícias
TAGS POPULARES
Nós no Facebook
Calendário
Jan0 Posts
Fev0 Posts
Mar0 Posts
Abr0 Posts
Mai0 Posts
Jul0 Posts
Out0 Posts
Nov0 Posts
Dez0 Posts
Jan0 Posts
Fev0 Posts
Mar0 Posts
Abr0 Posts
Mai0 Posts
Jun0 Posts
Jul0 Posts
Set0 Posts
Out0 Posts
Nov0 Posts
Dez0 Posts

facebook